Kokocast

Qual é o problema de ser gostosa?

5horas 20 de julho de 2012 Opinião 4 Comentários
Qual é o problema de ser gostosa?

Tive um feedback bem positivo referente ao meu post “Essa Batwoman está gorda!“. Por positivo, não quero dizer que todos concordaram comigo, mas houve discussão sobre o tópico e discussões são sempre bem-vindas.

Gostaria de falar sobre uma das respostas que recebi:

“É  estranho você reclamar de HQs sobre mulheres peitudas já que ontem você falou que gostou de Elle(s) de Bastien Vives. Afinal, qual é o problema das heroínas serem gostosas?”

Resposta: tudo depende do roteiro. Da proposta. O uso indevido de corpos extremamente sensuais é exploração.

Falando assim me sinto parte do Ministério da Saúde. Deixe-me explicar de outra forma:

Bastien Vives tornou-se conhecido do público brasileiro devido ao lançamento nacional de O Gosto do Cloro, pela Barba Negra. Em Elle(s) ele conta a história de duas moças entrando na fase adulta e um rapaz, que as conhece por acaso. Veja a imagem abaixo:

Decididamente, os atributos de Alice (a da esquerda) podem desviar a atenção do leitor. Mas e se essa for a ideia? Olhando todo o restante dos personagens do gibi, percebe-se que o objetivo ali não era explorar as características físicas da personagem com o intuito de vender mais. Mesmo porque, se assim fosse, haveriam mais personagens peitudas.

Na industria americana existe uma personagem que todos amam criticar, que é a Poderosa (Power Girl). Além de seios fartos, Poderosa exibe um decote circular no maiô que é seu uniforme — e esse decote é, obviamente, super-criticado.

Isso pode parecer estranho, mas eu sou contra essas críticas à personagem. Eu comprei a ideia logo que a conheci: Poderosa é a versão feminina do Superman. Ela é originária do mesmo planeta e tem os mesmos poderes que o Azulão. Se ela é a versão feminina de Superman, por que ela não usa o mesmo símbolo? Resposta: Porque ela não é o Superman! Se ela usasse o mesmo símbolo e/ou o nome Superwoman ou Supergirl, aí sim eu acharia pouco feminista.

Poderosa está satisfeita em ser ela mesma. E satisfeita o bastante com sua aparência e feminilidade para fazer dela seu símbolo. Nenhum herói do sexo masculino conseguiria se sair tão bem com um uniforme como esse.

Ideológicamente, acho a Poderosa uma heroína muito melhor que a Mulher-Maravilha, por exemplo. A meu ver, a Mulher-Maravilha, sim, tem mais seios à mostra do que deveria. Especialmente por serem dois*. Mas não vou me alongar nesse assunto.

Outra personagem que merece menção é Emma Frost, dos X-Men. Não entendo o motivo de insistirem em reclamar de uma personagem cuja principal definição é “futil”. De acordo com a Marvel Encyclopedia, Emma nasceu e foi criada em uma família abastada, teve a melhor educação, e é versada em artes e diversos idiomas. Mas nada disso à interessava. O que a interessava era passar boa parte do seu tempo com os X-Men em roupas que revelam boa parte “do melhor corpo que o dinheiro pode pagar”**.

Emma Frost é uma personagem complexa que se disfarça de rasa. E como já dissemos aqui antes, em X-Men: Xenogenesis, Kaare Andrews usou um estilo de desenho caricato dos personagens — especialmente de Emma. O estilo remete à HQs como a MAD dos anos 70 e Little Annie Fanny. Obviamente, quem perde a referência não entende o estilo da arte. A HQ foi super-criticada.

Voltando ao começo do texto, o problema está no fato de todas as heroínas americanas terem de seguir o mesmo molde. Todas elas tem de ter seios fartos, cintura fina, coxas finas, bumbum firme… todas têm que ser gostosas. E qual é o problema de ser gostosa? Afinal, “ninguém vai querer ler uma HQ de uma protagonista gorda“. O problema é que pra chamar mais atenção, a heroína precisa forçar a barra, quebrar a coluna, deformar as pernas, chutar o bandido, ajeitar o cabelo e fazer pose pra foto. Ao mesmo tempo.

O mercado americano está saturado de histórias iguais, personagens iguais, estilos de desenhos iguais e, óbvio, gostosas iguais. Mas não há problema algum em personagens gostosas. O importante é que haja espaço também para as gordinhas, as magrinhas, as altas. E que elas sejam diferentes. São raros os desenhistas que conseguem fazer com que diferentes personagens sejam reconhecida quando fora de seu uniforme (vestindo “roupas civis”). E o motivo disso é que elas são todas iguais. Mesmo corpo, mesma altura, mesmo propósito, mas cabelos e uniformes diferentes.

E aí? Numa terra em que todas as mulheres são gostosas, qual é o diferencial?

.

.

* De acordo com a mitologia grega, as amazonas removiam um de seus seios.

** Como a própria Emma Frost diz em Os Surpreendentes X-Men (Astonishing X-Men) com roteiro de Joss Whedon.

Like this Article? Share it!

About The Author

4 Comments

  1. Lucas "Poderoso Porco" Ed. 20 de julho de 2012 at 16:57

    Muito bom, Senhor 5 Horas, muito bom.
    Texto favoritado na minha pastinha “dissertação”!

    • 5horas 21 de julho de 2012 at 1:11

      Que honra, Poderoso Porco!
      Valeu!

  2. Jessica Jones 20 de julho de 2012 at 22:07

    Que as grandes Editoras de quadrinhos coloquem todos os seus heróis com uniformes que destaquem seus pênis e suas bolas, então! O objetivo não é “sensualizar”?, ou vão me dizer que mulheres não leem quadrinhos também? Rá!

    • 5horas 21 de julho de 2012 at 1:16

      Hahahaha!
      Certeza que eu não vou ler isso!

Leave A Response